Postagens

Não é Natural

Não devo nada pra ninguém Choro e depois eu vivo O tempo não apaga nada O tempo só piora minha dor Saudade é foda Saudade só faz mal Tristeza de mãe nunca é natural
O meu cartão de visita é o sorriso Mesmo sem motivo pra mostrar os dentes Por que está acontecendo isso comigo? Confesso ter medo do futuro Só sua música me faz ter paz Não estou entregue Mas bem que queria um até nunca mais
Vou esticar meu braço Para sentir o seu toque Vou deixar meu rosto exposto Para sentir o sopro de vida que você deixou Vivemos juntos e separados Não temos mais controle O que faz meu mundo melhor São sonhos e novos amores

No Fim de Tudo

No fim de tudo, Espero que você não se arrependa De ter jogado pela janela De ter desistido cedo demais De um amor louco Mas que tinha futuro No fim de tudo, O fogo ainda não se apagou É sim uma esperança De quem ainda guarda Aquela vontade De estar ao seu lado E que ainda é sim hoje Um fio de saudade
Já estou cansado de olhar O relógio que não para de rodar O tempo não cura Feridas abertas Noites escuras Chutando latas no meio da rua Chutando latas no meio da rua

Sem Medo

No volante eu encontro a paz que não tenho com você  Vou sem destino Sem rumo por aí Cada curva é um planeta que eu visito em pensamento Sem medo
Na velocidade da luz Eu corro para lugar nenhum Dobro esquinas Como dobro carteiras Você agora é do passado uma besteira
Assim eu quero que seja o meu fim Ultrapassando barreiras Destruindo cancelas Encontrando luz Sou um fraco muito forte Pois não é qualquer um que corre feliz para morte

Sono Profundo

Eu gosto de olhar você dormindo Gosto de imaginar os seus sonhos Então eu deito ao seu lado Sinto sua respiração Fecho os meus olhos E tento dormir também Quero fazer uma ponta, Participação especial, Dentro da sua mente Do seu instinto animal
Dessa viagem louca Não vamos acordar Sono profundo E dane-se o mundo

Dor de Cotovelo

O choro deixa qualquer despedida mais triste Mas deixa o poeta mais inspirado Lindas canções são feitas em momentos de dor Principalmente quando acaba o amor
Em um bar qualquer eu tomo uma ou duas No guardanapo escrevo letras melodiosas Você liga e diz que me odeia E mesmo assim eu compro rosas
Minha vida é uma festa perto do fim Com pessoas procurando uma saída Mas sempre sobra um boêmio Pedindo mais uma bebida
Embriagado de paixão Brega por natureza Canto dor de cotovelo E acabo em cima de uma mesa

Sempre Bela

Numa noite escura qualquer 120 por hora Sei que não é certo Mas pra te encontrar Não tem demora Tá bom, Aceito sua bronca Mas agora vem cá Vem calar minha boca Com seus beijos de batom
Sim, Sou louco Mas juntos somos muito mais E com nossa loucura Não precisamos nem de paz
Sem medo de errar È o nosso momento mais feliz E como todo mundo diz Parece casal de novela Se tudo conspira contra Não entramos nessa onda Pois nossa vida é sempre bela

Depois do Final

O meu tempo está contado Não posso perder nenhum segundo Contagem regressiva De uma vida que foi completamente progressiva
Os ponteiros não param de rodar Vejo cenas do passado entre os dedos Dedos que não têm mais força Mas não tenho medo Apenas ansioso para conhecer o outro lado Morte nunca é partida É o ponta pé inicial Vou rever pessoas queridas após o apito final